Portaria n.º 662/71 | económica capacidade doenças pessoas

Ministério das Finanças - Secretaria de Estado do Tesouro - Inspecção-Geral de Crédito e Seguros
Sexta-feira 3 de Dezembro de 1971
283/71 SÉRIE I ( páginas 1864 a 1864 )
Download pdf oficial - Portaria n.º 662/71

Portaria n.º 662/71
de 3 de Dezembro
Considerando a conveniência de submeter a regras uniformes o reconhecimento da capacidade económica, para efeitos da base XLIII, n.º 1, da Lei n.º 2127 , de 3 de Agosto de 1965, e artigo 69.º do Decreto n.º 360/71 , de 21 de Agosto:

Manda o Governo da República Portuguesa, pelo Ministro das Finanças:
I
Pessoas Individuais
Por impossibilidade de apreciação da capacidade económica destas pessoas e falta de garantia da estabilidade das mesmas, não se lhes reconhece capacidade económica.

II
Outras pessoas ou entidades
1. Riscos de doenças profissionais. - Pela impossibilidade de apreciação dos efeitos destas doenças e consequentes responsabilidades no tempo, também não se reconhece capacidade económica, ou não se reconhece na parte respeitante a doenças.

2. Riscos traumatológicos. - A apreciação da capacidade económica deverá ter em consideração os documentos exigidos por lei, relatórios e contas dos três últimos exercícios, quaisquer documentos que esclareçam acerca da situação económica e financeira da entidade patronal, e ainda relações numéricas dos trabalhadores, agrupados por categorias profissionais, com os respectivos vencimentos ou salários anuais, assim como quaisquer outros elementos que a Inspecção-Geral de Crédito e Seguros entender, de modo a poder ajuizar-se da solvabilidade e estabilidade da entidade patronal consideradas suficientes.

O reconhecimento de capacidade económica não poderá ser feito por períodos superiores a um ano, sem prejuízo de revisão nos termos legais.

Anàlogamente ao disposto na base XLIII, n.º 3, da Lei n.º 2127 , o reconhecimento de capacidade económica para tomar de conta própria os riscos traumatológicos só é permitido desde que se mostre seguro, pelo período considerado, o risco de doenças profissionais.

Pelo Ministro das Finanças, António dos Santos Labisa, Subsecretário de Estado do Tesouro.

Se acha interessante o diploma
"Portaria n.º 662/71 "
partilhe-o no Facebook e Twitter