Decreto-Lei n.º 131/2015 - Diário da República n.º 132/2015, Série I de 2015-07-09 | concessão social troia fundo

Ministério da Economia
quinta-feira, 09 de julho de 2015
132 ( páginas 0 )
Download pdf oficial - Decreto-Lei n.º 131/2015  - Diário da República n.º 132/2015, Série I de 2015-07-09

Decreto-Lei n.º 131/2015
de 9 de julho

A Grano Salis -- Investimentos Turísticos, Jogo e
Lazer, S. A. (Grano Salis), é a empresa, constituída sob a
forma de sociedade anónima, à qual foi adjudicada, sem
concurso público, em obediência ao disposto no Decreto-Lei n.º 229/2000 , de 23 de setembro, a concessão do exclusivo da exploração de jogos de fortuna ou azar na zona
de jogo de Troia.
A concessão foi considerada como uma das componentes
fundamentais do projeto que esteve na base do contrato de
investimento celebrado entre o Estado e a IMOAREIA --
Sociedade Imobiliária, S. A. (IMOAREIA).
Em 2005 e no contexto das alterações nos pressupostos
em que tinham assentado os contratos de investimento
celebrados para o desenvolvimento turístico da Península de Troia, foi proposto e aceite pelo Estado, que a
IMOAREIA alienasse à Amorim Turismo, SGPS, S. A.
(Amorim Turismo), ou sociedade por si detida a 100 %,
a totalidade das ações representativas do capital social da
Grano Salis, o que veio a ser permitido através do Decreto-Lei n.º 83/2005 , de 21 de abril, que alterou o Decreto-Lei
n.º 229/2000, de 23 de setembro.
A totalidade do capital social da Grano Salis é hoje
detida pela Amorim -- Entertainment and Gaming Inter-

national SGPS, S. A. (AEGI), sociedade que, por sua vez,
é detida a 100 % pela Amorim Turismo.
Em cumprimento das obrigações contratualmente assumidas foi, entre 2006 e 2011, construído o Casino de Troia,
o Centro de Congressos e concluído um Hotel (Troia Design Hotel), o que foi feito por recurso ao crédito bancário
e à realização de contribuições de capital acionista.
Tendo-se agravado a exposição ao crédito bancário,
em 2012 iniciou-se um processo de negociação com os
bancos financiadores, tendo sido alcançado um acordo
de restruturação do passivo financeiro que implicava o
recurso a um Fundo de Reestruturação -- o Fundo de
Capital de Risco Aquarius (Fundo Aquarius) --, o qual
aceitou adquirir aos bancos em questão 97 milhões de
euros de dívida.
A aquisição da dívida pelo Fundo Aquarius implicou,
ainda, uma reestruturação societária e, consequentemente, uma nova realocação dos ativos existentes. Para
lhe dar execução, foi constituída uma nova sociedade, a
Blue&Green II, S. A., que após alteração da denominação
social passou a designar-se por BL&GR, S. A., e que passou a ser detida a 75 % pelo Fundo Aquarius e em 25 %
pela Amorim Turismo e cujo objeto social é fundamentalmente turístico.
A Amorim Turismo veio, entretanto, manifestar interesse em alienar as ações representativas da totalidade do
capital social da sociedade Grano Salis para a sociedade
BL&GR, S. A., por considerar que esta sociedade poderá
promover, de forma mais sustentada, o desenvolvimento
turístico da Península de Troia e melhor assegurar, nesse
contexto, a articulação e a integração do Casino de Troia
com o projeto hoteleiro naquela Península, tendo para o
efeito solicitado a autorização do membro do Governo
responsável pela área do turismo, nos termos do n.º 3 do artigo 17.º do Decreto-Lei n.º 422/89 , de 2 de dezembro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 10/95 , de 19 de janeiro, pela Lei
n.º 28/2004, de 16 de julho, pelo Decreto-Lei n.º 40/2005 ,
de 17 de fevereiro, pela Lei n.º 64-A/2008 , de 31 de dezembro, e pelo Decreto-Lei n.º 114/2011 , de 30 de novembro.
A alienação pretendida consubstancia uma mera alteração na composição acionista da concessionária (Grano
Salis), considerando o Governo que a mesma poderá ser
autorizada, desde que se mantenham as obrigações assumidas pela concessionária no contrato de concessão.
Além disso, atenta a especificidade da concessão da
exploração de jogos de fortuna ou azar na zona de jogo
de Troia, entende o Governo que tal autorização deverá
ficar condicionada à verificação de determinadas condições
cumulativas que permitam assegurar a manutenção dos
pressupostos que presidiram à atribuição da concessão.
A BL&GR, S. A., no âmbito da reestruturação societária operada, passará então a concentrar em si a totalidade
do capital social da concessionária e, indiretamente, os
ativos da Grano Salis edificados no âmbito do contrato
de concessão, permanecendo estes na propriedade da
concessionária e, por força da restruturação societária,
indiretamente também na propriedade da BL&GR,S. A.,
até ao fim da concessão.
Por outro lado, a finalidade de apoio ao desenvolvimento
turístico que esteve subjacente à criação e aos termos da
concessão da zona de jogo de Troia impõe a manutenção
da obrigatoriedade da ligação funcional entre o casino de
Troia, o Centro de Congressos e o Troia Design Hotel. Na
verdade, a perder-se tal ligação funcional, quebrar-se-ia um
dos pressupostos da concessão do exclusivo da exploração

4741

Diário da República, 1.ª série -- N.º 132 -- 9 de julho de 2015
da zona de jogo de Troia e que assentava no apoio ao desenvolvimento turístico. Além disso, essa obrigatoriedade
deve ser estabelecida em termos tais que se assegure que,
durante todo o período da concessão, estes ativos não
poderão ser alienados sem autorização do Governo, assim
se garantindo que esse pressuposto se mantém mesmo em
caso de futuras alienações autorizadas pelo Governo.
Por outro lado ainda, considerando que a concessionária
da zona de jogo de Troia passará a ser detida, indiretamente, por entidades que surgem como garantes do pleno
cumprimento do contrato de concessão celebrado com o
Estado Português (o Fundo Aquarius e a própria Amorim
Turismo), deverá exigir-se, ao Fundo Aquarius, a assunção
de responsabilidades que antes eram exclusivas da Amorim
Turismo, assim se logrando a manutenção, se não mesmo
o reforço, das garantias do Estado Português.
A exploração contínua e ininterrupta do Casino de
Troia propicia e potencia o desenvolvimento turístico e
económico da região, tal qual se encontra definido nos
Decretos-Leis n.os 229/2000, de 23 de setembro, e 83/2005,
de 21 de abril.
Por isso, através do presente decreto-lei, o Governo
mandata o membro do Governo responsável pela área do
turismo para autorizar a alienação pela Amorim -- Entertainment and Gaming International SGPS, S. A., da totalidade do capital social da Grano Salis -- Investimentos
Turísticos, Jogo e Lazer, S. A., bem como dos ativos de que
esta seja direta ou indiretamente titular, à BL&GR, S. A.,
estabelecendo ainda as condições para a concessão dessa
autorização.
Assim:
Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte:
Artigo 1.º
Objeto

O presente decreto-lei mandata o membro do Governo
responsável pela área do turismo para autorizar a alienação
pela Amorim -- Entertainment and Gaming International SGPS, S. A., da totalidade do capital social da Grano
Salis -- Investimentos Turísticos, Jogo e Lazer, S. A., bem
como dos ativos de que esta seja direta ou indiretamente
titular, à BL&GR, S. A., estabelecendo ainda as condições
para a concessão dessa autorização.
Artigo 2.º
Concessão da zona de jogo de Troia

A atual concessionária da concessão do exclusivo da
exploração de jogos de fortuna ou azar na península de
Troia mantém todos os direitos e obrigações estabelecidos
na legislação em vigor e no contrato de concessão, celebrado em 28 de junho de 2001 e objeto de aditamento em
27 de junho de 2005.
Artigo 3.º
Autorização da alienação do capital social da Grano
Salis -- Investimentos Turísticos, Jogo e Lazer, S. A.

Fica o membro do Governo responsável pela área do
turismo mandatado para autorizar, em nome do Estado,
a alienação pela Amorim -- Entertainment and Gaming
International SGPS, S. A., sociedade cuja totalidade do capital social e respetivos direitos de voto são integralmente
detidos pela Amorim Turismo SGPS, S. A., da totalidade

do capital social da Grano Salis -- Investimentos Turísticos, Jogo e Lazer, S. A., à BL&GR, S. A., sociedade cujo
capital social e respetivos direitos de voto são detidos pelo
Fundo de Capital de Risco Aquarius (Fundo Aquarius) e
pela Amorim Turismo SGPS, S. A., na proporção de 75 %
e de 25 %, respetivamente, desde que o seu objeto social
seja fundamentalmente turístico.
Artigo 4.º
Condições da autorização

1 -- A autorização referida no artigo anterior deve
condicionar a alienação das participações sociais à sujeição pela entidade adquirente, no caso a BL&GR,S. A.,
e, indiretamente, o Fundo Aquarius, ao regime constante
do artigo 17.º do Decreto-Lei n.º 422/89 , de 2 de dezembro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 10/95 , de 19 de janeiro,
pela Lei n.º 28/2004 , de 16 de julho, pelo Decreto-Lei
n.º 40/2005, de 17 de fevereiro, pela Lei n.º 64-A/2008 ,
de 31 de dezembro, e pelo Decreto-Lei n.º 114/2011 , de
30 de novembro.
2 -- O Centro de Congressos e o Troia Design Hotel,
edificados em cumprimento do disposto nas alíneas b) e c)
do n.º 1 do artigo 5.º do Decreto-Lei n.º 229/2000 , de 23
de setembro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 83/2005 , de
21 de abril, devem manter uma ligação funcional com o
Casino de Troia em termos tais que, durante todo o período
da concessão, os mesmos permaneçam na propriedade
da concessionária e, indiretamente, na propriedade da
BL&GR, S. A., só podendo ser alienados com autorização
do membro do Governo responsável pela área do turismo.
3 -- Caso venha a ser concedida a autorização referida
no artigo anterior, devem ser mantidos na titularidade da
sociedade adquirente das participações sociais os demais
ativos turísticos que atualmente são detidos pela mesma
sociedade na Península de Troia, para garantir a prossecução do objetivo que presidiu à atribuição da concessão e às
obrigações de investimento que lhe foram associadas, no
sentido de contribuir para a criação das necessárias condições para o desenvolvimento turístico da mesma Península.
4 -- O Fundo Aquarius, sucedendo na titularidade indireta da detenção do capital social da concessionária,
garante o cumprimento do contrato de concessão celebrado
com o Estado relativamente às obrigações referidas na
alínea d) do n.º 1 e n.os 2 e 3 do artigo 5.º e no artigo 9.º do
Decreto-Lei n.º 229/2000 , de 23 de setembro, alterado pelo
Decreto-Lei n.º 83/2005 , de 21 de abril, que correspondem
às obrigações constantes da alínea d) do n.º 1 e dos n.os 2 e 3
da cláusula 4.ª e da cláusula 8.ª do contrato de concessão.
5 -- A autorização da alienação das participações sociais
só poderá ser concedida após a assunção pelo Fundo Aquarius, através de subscrição de carta de aceitação expressa,
das obrigações referidas no presente artigo.
Visto e aprovado em Conselho de Ministros de 30 de
abril de 2015. -- Pedro Passos Coelho -- Maria Luís
Casanova Morgado Dias de Albuquerque -- António de
Magalhães Pires de Lima.
Promulgado em 1 de julho de 2015.
Publique-se.
O Presidente da República, ANÍBAL CAVACO SILVA.
Referendado em 3 de julho de 2015.
O Primeiro-Ministro, Pedro Passos Coelho.

Se acha interessante o diploma
"Decreto-Lei n.º 131/2015 - Diário da República n.º 132/2015, Série I de 2015-07-09"
partilhe-o no Facebook e Twitter