Aviso de Diário da República 52/62 SÉRIE I de Quinta-feira 8 de Março de 1962 | nota frente lado central

Ministério das Finanças - Direcção-Geral da Fazenda Pública - Repartição do Tesouro
Quinta-feira 8 de Março de 1962
52/62 SÉRIE I ( páginas 211 a 212 )
Download pdf oficial - Aviso de Diário da República 52/62 SÉRIE I de Quinta-feira 8 de Março de 1962

Aviso
Para os fins do disposto no § 3.º do artigo 17.º dos Estatutos do Banco de Portugal, aprovados pelo Decreto-Lei n.º 19962, de 29 de Junho de 1931, faz-se público que, por despacho de S. Ex.ª o Ministro das Finanças de 15 do corrente, foi aprovada a emissão de uma nova chapa de notas de 100$00 (chapa 6 A, efígie Pedro Nunes), a pôr em circulação pelo referido Banco, com as seguintes características:

1) Frente da nota
a) Impressão calcográfica (talha doce).
Impressa a roxo-escuro uma moldura rectangular, com grande relevo de tinta, contendo o letreiro «Banco de Portugal» no canto superior esquerdo; três letreiros «100» nos restantes três cantos; o escudo nacional e os letreiros «Ch. 6A», «Cem escudos» e «Ouro», na parte central da nota; finíssimos traços, uns verticais outros oblíquos, protegendo a zona do retrato de Pedro Nunes.

Impresso em cinzento-escuro o retrato de Pedro Nunes no lado direito da frente da nota e finos arabescos junto do lado direito e do canto inferior direito da moldura impressa a roxo-escuro.

Impresso a sépia-esverdeado finos arabescos junto do lado esquerdo e do canto inferior esquerdo da moldura impressa a roxo-escuro.

b) Impressão de fundos:
Os fundos da frente da nota são impressos em offset, sendo as cores distribuídas pelo sistema Íris em quatro faixas paralelas ao lado menor da nota, que se distinguem perfeitamente nas margens superior e inferior. As duas faixas extremas têm o aspecto visual da cor roxa e as duas faixas intermédias uma apresenta a cor alaranjada e outra a cor verde. O exame à lupa dos desenhos das margens mostra que estes aspectos de cor das faixas são obtidos com a impressão de linhas finas de duas cores diferentes.

Na zona central da nota os desenhos dos fundos são constituídos por ornatos de traço grosso, por duplex com linha branca e por arabescos policrómicos.

c) Chancelas e numerações:
Na parte central da frente da nota estão impressas, a preto, as chancelas do Governo e administração do Banco e a data.

Nos cantos superior direito e inferior esquerdo, também a preto, é impressa a série e o número da nota.

2) Verso da nota
a) Impressão calcográfica (talha doce).
Impressa a roxo-escuro uma moldura rectangular, em guilloché, contendo no lado superior o letreiro «Banco de Portugal» e nos quatro cantos os letreiros «100»; na parte central superior o selo do Banco, circundado por uma pequena moldura oval em guilloché; na parte central inferior o letreiro « Cem escudos»; na parte esquerda da nota uma vinheta representando um aspecto parcial do claustro do Mosteiro da Batalha.

b) Impressão de fundos:
Os fundos do verso são iguais aos da frente da nota.
3) Papel e marca de água
O papel contém, incorporado na pasta, um filete de matéria plástica, em traço interrompido, disposto paralelamente ao lado menor da nota.

A marca de água representa o retrato de Pedro Nunes, igual ao retrato impresso na frente da nota, mas ligeiramente ampliado.

Direcção-Geral da Fazenda Pública, 21 de Fevereiro de 1962. - Pelo Director-Geral, Aurélio Serra Ferreira.

Se acha interessante o diploma
"Aviso de Diário da República 52/62 SÉRIE I de Quinta-feira 8 de Março de 1962"
partilhe-o no Facebook e Twitter